sexta-feira, 26 de julho de 2013

Das idas incertas e das vindas talvez ou a (canção de um adeus)


Não esquecerei seu nome.
Não rasgarei suas fotos.
Nem te tirarei de mim.
Se optares por ir, vai.
Vai e carrega contigo a certeza de que aqui eu fico.
Fico no teu encalço,
Com as lembranças dos momentos.
De cada momento de cada sorriso,
De cada talvez.
Os dias de uma tarde chuvosa.
Das noites estreladas.
Sorriso de canto de boca, cabelos cacheados, cervejinhas gelada no bar do Webber.
Vai, leva o tempo que quiser, 
Mas se voltar, se quiser voltar,
Volta...

3 comentários:

  1. Lindo demais...parece que foi eu que escrevi um dia de tao real na minha vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esses sentimentos sempre nos aproximam. As vezes acredito que a dor nos aproxima mais que o próprio amor.

      Excluir
  2. Ao passar pela net encontrei seu blog, estive a ver e ler alguma postagens
    é um bom blog, daqueles que gostamos de visitar, e ficar mais um pouco.
    Eu também tenho um blog, Peregrino E servo, se desejar fazer uma visita.
    Ficarei radiante se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais, saiba que sempre retribuo seguido
    também o seu blog. Minhas saudações.
    Sou António Batalha.

    ResponderExcluir